Ao telefone com Morrison

icon-06

RL2694-punkt.ch-MP01-2999x2000px

Podia ser o novo telemóvel da minha avó? Podia, mas não é bem isso.

Adoro este tijolinho preto, aparentemente tão low-tech que até irrita, com as suas teclas de carne e osso, almofadinhas arredondadas, bem visíveis, branco sobre preto, preto no branco, e aquele perfil que parece que balança, e uma parte de trás táctil, não como os ecrãs, mas genuinamente táctil,  num padrão de pontos pequeninos, desenhado para não escorregar e ficar confortavelmente preso à nossa mão.

Assim à primeira vista, este pequeno aparelho desenhado por Jasper Morrison para a Punkt. – chama-se MP 01- poderia parecer tão rudimentar e arcaico quanto o velho tijolo celular da minha avó: uma coisa simples, com teclas generosas, bem visíveis, e a precisar de poucos passos para fazer uma chamada.

Mas é mais do que isso. É um statement. E um sossego. Morrison chama-lhe “a redescoberta do telemóvel” e pode bem significar a elevação deste gadget a novos níveis de simplicidade. Mesmo o que estávamos a precisar.

Tem câmara, bluetooth e entrada USB mas qualquer semelhança com um smartphone termina aí. É um telefone, ponto. Não cria adição, não provoca dependência. Serve para fazer chamadas e mandar mensagens. Nada mais. Ao pé dele, os smartphones mais espevitados deviam corar de vergonha. Tanta banalidade, tanto desperdício, tanto excitamento que não pode esperar. Aparelhozinhos histéricos, que tal calarem-se de vez?

Para além de ser giraço, com este ar de gerigonça princípio do século, e básico, no melhor sentido do termo, parece-me que, para quem tiver a sorte de o ter na mão (está esgotado, óbvio), será libertador. Com um bichinho destes nas mãos, passariamos a olhar para o telefone sempre que precisássemos (quando ligamos, quando nos ligam, quando recebemos ou enviamos uma mensagem) e não a toda a hora, constantemente interrompidos pelas notificações e o irreprimível desejo de não perder pitada. Nunca.

Libertando o nosso olhar dos ecrãs todo-poderosos e omnipresentes (omniscientes também, ou há alguma dúvida que eles sabem tudo e seguem as nossas pegadas electrónicas por onde quer que vamos?), poderíamos devolvê-lo ao mundo. Aos olhos dos outros, para começar. Voltariamos a ser homo erectus, de cabecinha levantada, bem erguida. Para contemplar e comunicar. Olhos nos olhos.

O MP 01 é um telemóvel sem distracções, focado no essencial, no que realmente importa: comunicar. Não a toda a hora, não reactivamente, mas quando queremos, proactivamente. Nesse sentido, corresponde perfeitamente ao maravilhoso mantra da Punkt. “technology tamed”, que consegue extrair o melhor deste admirável mundo novo. Tecnologia sim, obrigada, mas com calma. Tecnologia domada. Dócil. Boazinha. A servir-nos e não ao contrário.

Outra das vantagens deste aparelho é que parece um antídoto natural para  nomophobia (o medo de ficarmos temporariamente sem telemóvel e consequentemente desconectados do mundo). É uma espécie de Mac dos telemóveis: onde ali não entram vírus, aqui não entram pânicos despropositados e freak outs descontrolados. Isto acontece porque, se porventura deixássemos o MP 01 em casa, o mundo não acabaria. A vida prosseguiria, igual. Não estando permanentemente conectados, não temeríamos estar temporariamente desconectados. E isso sim, é um sonho. Melhor: um luxo.

JM-Punkt-2015-MP01-01

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Respond to Ao telefone com Morrison

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s