O azul do céu

icon_10

img_7051 (1)

O meu pai ensinou-me a amar o azul do céu por cima de todas as coisas.

Não que não haja coisas mais importantes – a saúde, o amor, a liberdade – mas é uma evidência. O azul do céu está, por inerência, por cima de todas as coisas.

Amplo, infinito, ele lembra-nos como somos pequeninos. E pelo caminho, generoso, aviva-nos a nossa grandeza.

Quando o céu está azul, apetece-nos levantar a cabeça e engoli-lo. Ao mesmo tempo, baixamos os olhos em sinal de reverência e humildade. Agradecemos.

No Verão, ou melhor ainda naqueles dias estupidamente belos de Inverno, frios e luminosos, louvamos o azul do céu. Quanto mais azul melhor. Não queremos nuvens, mesmo passageiras, a importunar a paz cerúlea. Depois, aprendemos a amá-las também.  Rarefeitas. Esfareladas. De fininho. Como essas aí em cima.

Ontem desci a rua em direcção à igreja de Santa Isabel para ver o Céu de Michael Biberstein. Finalmente está pronto, e valeu a espera. Diz-me uma amiga muito querida que o conheceu que Biberstein era gigante. Um “bom gigante” diz ela. E eu, que sou agnóstica, acredito piamente.

A minha avó diz-me que estou “à procura de Deus”. A Clarice, sempre a desconcertar, vem e escreve “acima dos homens nada mais há“.

Há sim, Clarice. É o céu.

Até quando não é exactamente azul, mas translúcido e sublime como o de Biberstein. Ontem em Santa Isabel ouvi atentamente a homília de D. Manuel Clemente e não me soube a sermão. Cabecinha no ar, perdi-me nas nuvens que se abriam e regressei à terra a pensar num “céu que nunca mais acaba”.

O projecto “Um Céu para Santa Isabel” de Michael Biberstein, começou em 2009 e quase foi interrompido pela súbita morte de Biberstein, em Maio de 2013. Do projecto inacabado nascia “O Céu de Mike”, onde um comité técnico e artístico formado por pessoas muito próximas do artista dava continuidade ao projecto. A história está toda aqui, e vale a pena lê-la. 

Para quem perdeu o começo de tudo, na Appleton, pode rever a maquette e outras maravilhas  numa exposição no museu Arpad Szenes- Vieira da Silva. A exposição, organizada em colaboração com a Galerie Jeanne Bucher Jaeger, apresenta também os estudos do artista para o tecto da igreja, e obras sobre papel inéditas. Está até 11 de setembro.

(as fotografias do tecto são de Orlando Almeida/ Global Images e a da maquette é de Rui Semedo da Luz)

ng7340695ng7340699e44dc971-4030-4314-9b82-c0adbfc17c59

Anúncios

Respond to O azul do céu

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s