Coisas para fazer antes que o Verão acabe (e um bocadinho depois)

icon-15

IMG_1898

Antigamente os filósofos praticavam o desapego, hoje não é bem assim. Li esta semana um texto bastante inspirado de Tom Hodgkinson, fundador da revista The Idler, em que, a propósito das manifs francesas destes dias, contrapunha o desprezo do presidente Macron pelos “fainéants” – os que não fazem a ponta – ao lifestyle de Sócrates (o grego), e Diógenes que “não faziam muito mais que conversar com as pessoas no mercado”. E não cobravam por isso. Se, como diz Hodgkinson, Sócrates praticava o cinismo, Diógenes levava-o ao extremo, vivendo numa indigência quase compulsiva.

Hodgkinson e os gregos fizeram-me pensar num dos acontecimentos do Outono Lisboeta, a conferência da The School of Life, de Alain de Botton, que acontece lá para Outubro no Centro Champalimaud. De Botton e os seus discípulos desembarcam em Lisboa para três dias de conversas desenhadas para nos facilitar a vida e proporcionar algum salutar socializing, e descrevem este nosso pedaço de terra como uma das cidades mais “culturalmente vibrantes” da Europa. O que me fez pensar: será mesmo?

E logo a seguir: tanta coisa para fazer, tão pouco tempo. Tragédia.

É evidente que pelo menos uma parte do mundo está apaixonada por Lisboa. E quando as pessoas estão apaixonadas, é difícil desembaciar os óculos cor-de-rosa, quanto mais tirá-los. Há boas razões para este crush colectivo, e se calhar nem têm tanto a ver com o facto de sermos uma das cidades mais “vibrantes” da Europa em termos culturais. Ou seja, à nossa escala, estamos lá. E isso é perfeito. Só não nos julguemos Paris, ou Londres, ou Nova Iorque, porque esta efervescência toda é muito isso: efervescente. Portugal é uma ilha, convém não esquecer. Nestes dias que vivemos, dias de crosta, rapidez e imediatismo, importa pensar na substância das coisas. Nas pausas, precisas, e na verdadeira fruição. Será que podemos trincar Lisboa como uma manga suculenta?

Seja como for, já que estamos na crista da onda, mais vale aproveitar e surfá-la, digo eu. Agora, de pestana aberta, por favor. Conscientes da transitoriedade de tudo. Da diferença entre ser e parecer. Cada um no seu cantinho, mundinho, perspectivazinha, vibremos, pois, com Lisboa. Para os mais desorientados, ou os que estão, como eu, atrasados, partilho aqui uma lista de coisas para fazer antes que o Verão acabe e se esfume esta efervescente e poderosa reentrada:

– visitar a exposição de Shepard Fairey na Underdogs. Só está até 23 de Setembro.

– já que estamos em onda Vhils, dar um pulo ao Iminente que regressa este fim de semana em Oeiras. Hoje há concerto dos imaculados Capitão Fausto, eu não vou porque tenho planos mas amanhã estou melhor.

– quem não for para a Comporta saltitar no Verão pode ir espreitar o Stupido, o novo bar do caixodré com curadoria de Alexandre Farto (juro que não tenho uma avença) e o baterista Fred Pereira (yeah yeah) à frente da programação musical. Com estes nomes tem mesmo tudo para dar certo – é evidente que estes dois não têm nada de stupido – e pode ser que seja um caso sério de brains & beauty. O primeiro artista convidado a ocupar o espaço durante um ano é Felipe Pantone.

– Também até 23 de Setembro, na Caroline Pagès, last call para a exposição Deus Verme, de Mattia Denisse e os super-super João Maria Gusmão & Pedro Paiva, e na ZDB, os Cartazes Cubanos da OSPAAL 1960-1980. Porque podemos ser revolucionários, mas ainda assim burgueses, e um finissage é sempre um finissage.

– Cada fim é sempre um princípio, e a 23 arranca a exposição Como se Pronuncia Design em Português: Brasil Hoje, com curadoria de Frederico Duarte, o que nos sossega relativamente à substância. É uma das exposições MUDE Fora de Portas, integrada na programação da Lisboa Capital Ibero-Americana da Cultura, e estará até dia 31 de Dezembro no Palácio Calheta, o que nos sossega relativamente à forma, por se situar num dos jardins mais bonitos e esquecidos de Lisboa (não sei se dizer feliz ou infelizmente) o lindíssimo Jardim Botânico Tropical, em Belém.

– O fim-de-semana de 23 e 24 de Setembro vai ser particularmente intenso, com mais uma edição, a sexta, do Open House Lisboa. Há alguns meses que andamos a fruir por antecipação, e finalmente chega a hora de ficar a conhecer os cantos à casa. O roteiro deste ano foi concebido pelas arquitectas Rita e Catarina Almada Negreiros e convida a descobrir gratuitamente 87 obras arquitectónicas da cidade, 38 das quais em estreia absoluta. Lisboa vai mesmo estar de portas abertas para todos.  O evento é gratuito, aberto a todos, e este ano está ainda mais inclusivo, com a estreia de um programa de acessibilidade que promove a adesão de público com deficiências sensoriais ou intelectuais. Lá voltaremos, mas nesta altura vale a pena olhar para o mapa e escolher os edifícios que quer mesmo visitar, imaginando-os como pontos de partida para descobrir lugares desconhecidos, inesperados, ou seja, para flâner, que como sabe quem gosta de andar pelas cidades de cabeça inclinada a olhar para as fachadas dos prédios é uma das actividades mais espetaculares da vida.

(ainda sobre a The School of Life: esta conferência não é para indigentes. À semelhança de outros Summits, para ver (et être vu) é preciso pagar. Bastante. Não sei se é muito, se é pouco, cada um dá a cada coisa o valor que bem entender. Sobre o consumismo cultural e outras formas contemporâneas de contribuir para a lógica que reina, disfarçando imenso, não quero alongar-me. A escola da vida está aí fora, e dentro de nós. Para mim, já é sarilho, e mundo, que cheguem.)

A fotografia foi tirada no apartamento arriaga, da Embaixada, um dos projectos para ficar a conhecer de perto e por dentro na próxima Open House. Atenção à cortina de vidro, em fole, que separa – ou aproxima – o pátio da cozinha e tinha que pôr aqui. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Respond to Coisas para fazer antes que o Verão acabe (e um bocadinho depois)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s