Mergulho

icon-13

Jean-Jullien-9.jpg

Aquela praia era o paraíso. Mas tinha um problema: o Sol punha-se demasiado cedo. A água também era um problema. Demasiado fria. Sol apressado, água gelada, não é a melhor combinação, não fosse aquela praia o paraíso, e ao paraíso desculpa-se tudo.

Aninhada na serra, a pequena baía abria-se para o mar claro, quase infinito. Seixos perfeitos, calhaus arredondados, a memória dura e doce das plantas dos pés. Para lá corriam, serpenteando serra abaixo para um glorioso último mergulho antes do Sol se pôr. O Sol a pisgar-se, cada minuto a faixa de luz deslocando-se mais para Oeste, e as duas mulheres, ninfas ninfetas, perseguindo mar adentro o astro-rei. Que frio, que frio, que fri-o. Saltitando as ninfetas entre gritinhos excitados. Quando se grita é impossível morrer. Incompatibilidade anafilática.

Finalmente, a primeira mergulha. Depois a outra. Splash. Splash. E outro grito, explosivo, de felicidade à superfície.

Elas mergulham e imaginam as sereias de touca dos filmes de Esther Williams.

(Disse à minha avó que dei um mergulho no paraíso e ela, naquela salinha naquele sofá, disse-me que me amava ainda mais, disse-me que tinha saudades de nadar.)

(a ilustração é do gamadíssima ao grande, gigante Jean Jullien, que não sei se já esteve no Paraíso, mas eu diria que sim)

Respond to Mergulho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s