Das Coisas que se Passam na Província

icon-15

FullSizeRender

Também deve ser da idade, mas agora sim percebo o Miguel Esteves Cardoso quando escreve sobre os pêssegos de Colares ou o eléctrico térmico da Praia das Maçãs. São sempre textos muito bons, daqueles que inspiram respeitinho, daqueles que quase me fazem dizer “Madzinha, tem juízo”, para depois corrigir enquanto posso, no salto, no acto, e acrescentar: juízo coisa nenhuma, sempre faz falta um bocadinho de loucura, no meu caso mesmo muita, para parir um texto de jeito e não pensar no depois.

Continue Reading

Anúncios

Tudo, tudo, não

icon-12

IMG_0551

Esta semana tivemos uma super lua, super azul, super eclipsada ou eclipsante e na realidade parece que tudo ficou na mesma.

Tudo, tudo, não.

Diz-me o meu primo que a partir dos 40 anos todas as mulheres fazem Yoga, ou meditação, ou ambas as coisas, e eu tenho de corrigir e explicar-lhe que medito transcendentalmente desde dois mil e nove, quando ainda era uma Balzaquiana.

Continue Reading

Está na cara

icon-12

img-82622.jpg

Ainda bem que não acredito no pai Natal, se não pedia-lhe já este conjunto de pratos de porcelana do Jean Jullien e era uma desgraça. Amorzinhos.

(estão à venda na Case Studyo em edição limitada. Esta é a segunda colaboração de Jullien com estes editores depois desta outra ideia luminosa)

Identidade Natural

icon-06

unspecified-4

Bem-vindos à sociedade pós-química. Na realidade, os elementos naturais que nos rodeiam estiveram sempre aqui, mas agora parece que houve um abrir de pestana colectivo e percebemos que somos mesmo, mesmo, aquilo que comemos. E os remédios que tomamos. Por isso, temos cada vez mais juizinho. Por isso, laboratórios como os portugueses Biocol, fundados em 1978, fazem tanto sentido.

Continue Reading

Açores, agradecida

icon-07

IMG_7161.jpg

Os Açores são a coisa mais linda.

Tão linda, mas tão linda, que me pergunto como fui capaz de viver até agora, em relativo sossego, passando-lhes ao largo.

(Ou quase, já tinha estado na Terceira.)

Os Açores são assim: azul, verde, azul, verde, azul.

Continue Reading

Rock in Ria

icon-09

IMG_7011.jpg

Se este post fosse o Google, diria, olhando desconfiado para o título “Será que quis dizer: ‘Rock in Rio'”.

Não, quis mesmo dizer Rock in Ria.

É assim. Aveiro Rocks. E há vida para lá de Chelas.

Em Aveiro há um Vihls de cortar a respiração. Olhos nos olhos, avisa-nos, mal apeamos da estação, que estamos fora do lugar-comum. Não fosse isto uma parede escavacada  e pregava-lhe um beijo.

Continue Reading

Milagre

 

icon-12

IMG_7006

Foi preciso um engenheiro para me garantir que cheia, a garrafa aguentaria no suporte. Não queria acreditar. Talvez porque cá em casa gostemos de ver a garrafa sempre meia vazia, contrariando o pessimismo do copo, que se quer meio cheio.

Continue Reading

Ella é que sabe

icon-12

beet web

Quando achava que na minha vida só havia espaço para uma Ella – a Fitzgerald, e mais nenhuma –  a minha amiga G., sempre muito moderna, antecipa-se ao Natal oferecendo-me um livro de receitas saudáveis para não fundamentalistas.

Continue Reading

Banquetes

icon-12Bar-Luce-page

Portugal, sem cheta, não vai à Expo de Milão. Tudo bem. Não vejo em que é que isso contribuiria grandemente para a felicidade pátria. Já uma ida a Milão, por estes dias e sempre, parece-me que poderia contribuir em alguma coisa para a nossa felicidade individual.

Continue Reading

25 anos do Juicy Salif (coisa mais linda)

icon-120001_PSJS W_300dpi_1250pxlSlavoj Zizek chama MacGuffins aqueles objectos que atravessam os filmes de Hitchcock, e nos intrigam imenso, porque não fazemos a mais remota ideia para que servem ou o que estão lá a fazer. Reparem: só nós (e talvez Hitchcock, esse grande gozão manipulador) é que não sabemos o que é que os MacGuffins estão lá a fazer. As personagens sabem, só que não nos dizem. Assim, enfeitiçados pelos MacGuffins, ficamos completamente de fora, e no entanto, por isso mesmo, totalmente dentro do filme.

Continue Reading

No more posts.