Coisas para fazer antes que o Verão acabe (e um bocadinho depois)

icon-15

IMG_1898

Antigamente os filósofos praticavam o desapego, hoje não é bem assim. Li esta semana um texto bastante inspirado de Tom Hodgkinson, fundador da revista The Idler, em que, a propósito das manifs francesas destes dias, contrapunha o desprezo do presidente Macron pelos “fainéants” – os que não fazem a ponta – ao lifestyle de Sócrates (o grego), e Diógenes que “não faziam muito mais que conversar com as pessoas no mercado”. E não cobravam por isso.

Continue Reading

Anúncios

A Reentrada Shanti Shanti

icon-09

Carlton_Ettore-Sottsass_dezeen_ban

Chegou a reentrada, aquela altura do ano em que desenhamos mentalmente uma data de intenções e corremos para voltar a entrar num lugar qualquer. Pode ser que não saibamos bem que lugar é esse, provavelmente não estará muito distante da zona de conforto de cada um,  com sorte pode ser que lá cheguemos depois de um salto, plástico e majestoso, na escuridão.

Continue Reading

EDITORIALISTA X PLAYTIME

icon-06

madgalamba_imagensinstagram-08.png

Era uma vez uma menina que só queria escrever. Escrevia, escrevia e mais fome tinha. Como não conseguia parar, resolveu assumir a coisa. Foi assim que nasceu o Editorialista, um estúdio de escrita e edição que o ajuda sempre que precisar de dar uma palavrinha. Descubra mais aqui, seja amiguinho e passe a palavra por aqui, que não somos ponto-come mas temos Insta.

(obrigada Studio Ah-Ha pelas ilustrações do outro mundo)

Nowhere é aqui

icon_10

casa_jacinto_1.jpg

Estivemos lá e o pianista estava a almoçar. Sentado à frente de uma janela, a olhar para o lago, mastigava devagarinho com cara de poker. Já o tínhamos visto de fora, enquanto dávamos a volta à casa de cortiça que Ricardo Jacinto criou como “residência temporária” para o pianista Marino Formenti. 

Continue Reading

A cada colina, sua bina

icon-15

punkt2

Se fosse preciso desenhar uma bicicleta para Lisboa como seria? Uma bicicleta que “favorecesse a mobilidade pessoal” e “tornasse o ciclismo electricamente assistido mais fácil e acessível”?  E que ao mesmo tempo se relacionasse com a topografia – acidentada- e a cultura – peculiar-  desta cidade, Lisboa?

Continue Reading

No more posts.