Atrevimento

ATREVIMENTO

A grande vantagem de Eva é que invertida, ela se transforma numa Ave.
O que significa que basta querer, estalar os dedos, e pira-se. Bate as asas e põe-se a voar. Como uma fénix ardente, ou um daqueles pássaros míticos, penacho na cabeça, plumas de arco-íris, uma coisa grandiosa espampanante. Um fogo colorido rosa púrpura e amarelo atravessando as nuvens num voo sereno.
Lá de cima, no azul que nunca mais acaba, Ela vê o mundo de outra forma. O mundo sem tempo, para a frente e para trás. A eternidade.


Depois aterra e faz o pino entre as flores, caem-lhe as saias com a gravidade, tombam as parras e de novo se descobre. 

Continue Reading

D

(DOMÉSTICA)

Ela chega a casa e rega as plantas. Põe a água a correr para o banho, pica a cebola, recolhe os brinquedos esparsos, a panela ao lume, muita água pouca massa, descalça os sapatos, ajeita os jornais num montinho, dobra camisolas, abre gavetas, põe três lugares na mesa, três velas rasas no centro e uma flor. 

Continue Reading

Everlast

Ali nasceu Cassius,
tinha pé de barro, não
tinha borboletas nos pés
e vibração de abelha
na barriga.

Colosso alado, 
amado.
leve como um touro
abrindo as narinas feitas asas.

Inspirando intactos
O punho, o pó, o pé
expirando só orgulho, só beleza
para lá e para cá,
para lá e para cá.

Cassius eu te amaria
para sempre
por isso hoje vesti as minhas calças
Everlast,

E contigo tirei a máscara
e despi o escravo 
que deixou o nome
que beijou a pele
e fechou a cicatriz.

Também eu quero saber
para onde foram todos os anjos negros
onde está a farinha moída na escuridão

Beber a magia clara,
dura,
dos teus olhos
luzindo como carvão.

(não sei quem é o autor das fotografias, mas que beleza!)


      

R

À volta
De uma fumegante taça de Ramen
Não é possível
Ter o caldo entornado

A menos
Que fosses tu
E fosse eu
E aí havia sempre

Algas 
Enrolando-se nas campainhas
Das gargantas
Ovos cozidos de mais

Legumes indecifráveis
Lembranças rodando
Pauzinhos quebrados
Malabarismos e trapezistas

Demasiado quentes
Demasiado doces
E então era o fim
E começávamos tudo outra vez

(tentativa de fazer um haiku, que como se vê descamba e me traz, entre outras coisas, a memória do Porto, da Rua do Breiner, e do melhor Ramen da Invicta, caldo servido num termo lindo-lindão vermelho e comprido, com uma rosa estampada, da Out to Lunch. Não é estar armada em influéncer, deus nos acuda, é que é mesmo muito bom, e as saudades são muitas. Da roupa e do ramen e de tudo. O princípio disto tudo: a ilustração da gentilíssima aventureira Apolline Beaufort, sempre na mouche. Merci Apolline!)

L

(LORDE)

Sentado ao colo do sofá de orelhas, o cão enrosca-se como uma minhoca. Depois levanta a cabeça e olha para mim, tranquilo como uma esfinge, como se nos conhecêssemos há muito tempo e já não precisássemos de falar.

Continue Reading

G

(GALOCHAS)

Naquela escola havia uma praia compartimentada. O recreio não tinha cimento, não tinha gravilha, não tinha borracha no chão. Tinha areia. A areia era mais cinzenta que outra coisa, e estava contida em pequenos planaltos, protegidos por muretes baixinhos. Não era um areal a perder de vista, brilhando infinito debaixo do sol. Mas era bom. 

Continue Reading

C

(O Coiso)

Quando eu era pequenina, havia coisas muito erradas que eu dizia com toda a propriedade.

– Pai, a gente vamos à praia?

E ele, para quem devia ser obrigatório que nada fosse obrigatório, via-se obrigado a introduzir alguma rectitude na minha linguagem, como um ortopedista das palavras.

– O quê?

Continue Reading

L

LISTA DE COMPRAS 

Fralda de pano, alfinete de dama, ama, lápis de cera, rádio cassete, boneca, roupa de boneca, pente de boneca, livro riscado, panelinhas, gira-discos, rede brasileira, bombocas, kalkitos, digitinta, portas de espelhinhos,

Continue Reading

P

(Pirilampo)

Li que no Japão há uma festa inteira em honra dos pirilampos. Chama-se hotaru-matsuri e acontece no Verão, em vários pontos do país, em ilhas onde nunca fui e onde provavelmente nunca irei. Incrível como uma imagem tão distante, que nunca vi ao vivo, a não ser uma vez num filme belíssimo chamado Ama San – e isso, contando muito, não conta – pode exercer tamanha força. 

Continue Reading

No more posts.