G

(GRÃO)

Há uns segundos de luz que queima e depois se extingue. Uma folha branca atravessa o quarto, pendurada naquela grande mão, como se fosse o pescoço de um cisne, e mergulha. 

O lago é quadrado, a água transparente e densa. Um cheiro meio ácido, profundo, talvez metálico, desconexo.

Continue Reading

Veludo

icon-11Sade_3_2.jpg

Às vezes era preciso abrandar, e então ouvia Sade Adu como num círculo e ficava ali presa naquela doçura. Em repeat, em repeat. Lentamente, contra a correria. Smooth Operator. Sweetest Taboo. Tudo com muito ritmo e muito veludo e muito sentimento. “Sentiment”. Saxofone também.

Continue Reading

Saudades (o mundo inteiro)

icon-06

infinity

Do caos das cidades, das paredes dos museus, dos jardins da Gulbenkian, dos jacarandás de Évora, das pontes, dos arcos, das arcadas, dos areais, dos concertos em particular e de todas as aglomerações de gente em geral, das salas de cinema, das pistas de dança,

Continue Reading

Domingo

icon-132019_AU BORD DE L'EAU.jpg

Sobre as tábuas de madeira há pelo menos 17 sobremesas. Por cima da mesa, no jardim, uma vela de navio coa a luz. As luzes, as vozes, ouvem-se três quarteirões mais abaixo, na esquina da rua das lojas.

É preciso ser-se um bocadinho louco.

Continue Reading

Eclipse

icon-14vitti

Na noite do eclipse, as palmeiras agitavam-se como belas adormecidas, negras contra a noite roxa. Era preciso dar um mergulho na escuridão.

Então entra no cinema, cheio de cadeiras vazias, e ocupa um lugar mesmo ao centro, talvez para compensar o facto de ser algo dada a extremos.

Continue Reading

Sorte

icon-06

paisagemtoscan.jpg

Na casa havia um baloiço, preso por duas cordas debaixo de um arco ogival. A casa tinha paredes descascadas, janelas altivas, trepadeiras galgando as paredes, verdes, viçosas, por baixo a tinta rosa como champagne.

Continue Reading

O intruso

intruso_fati.png

Vocês ouvem alguma coisa? disse

Tratando-a com uma distância marcial, como se trata uma princesa.

Eis o teu quarto.

Toalha.

Chão.

 

E este banco japonês?

Alguém ouviu alguma coisa?

Pareceu-me ouvir, sim, sim

Mão em concha, atrás da orelha.

Não, afinal não era nada.

Continue Reading

Nuvem

icon-06

cachimbo.jpg

Todos os dias, o Senhor Flo subia as escadas do prédio onde vivia, vários lanços em passadas alegres e confiantes, leves como assobios, e chegando ao topo, com a respiração amplamente controlada, retirava do bolso o seu cachimbo.

Continue Reading

No more posts.